Tag Archives: viajar

Geo em cache

Quando comecei a fazer Geocaching em Leiria (e foi por um mero acaso), o cenário era diferente do atual. Existiam caches feitas com muita imaginação (algumas quase rondavam o estatuto de peças de artesanato manual), muito bem escondidas e com manutenção bastante regular. Para as pessoas que procuravam, já isso era um excelente desafio, em que se sentia um verdadeiro sentimento de partilha… algumas das caches por vezes continham textos muito bonitos, inundados pela experiência pessoal de quem os tinha vivido, ou objetos que se integravam nas temáticas de cada uma. Se nos sentíamos mais atraídos pela temática de uma cache, havia uma certa admiração pelo sentido que alguns desses objetos davam à mesma. Por outro lado, a partilha também existia de uma forma muito espontânea, quando as pessoas se encontravam junto de uma cache, e partilhavam as suas experiências…ainda guardo algumas pessoas no meu círculo, fruto dessa interação.

No tempo que estive sem praticar o jogo (muitos anos), algumas coisas parecem ter mudado…muitas caches têm uma manutenção muito mais espaçada, fazendo com que o seu estado se vá deteriorando (algumas são apenas abandonadas pelos donos, que não se preocupam em encontrar quem as adote). Por outro lado, existe cada vez menos preocupação com a qualidade das caches, abundando os containers micro, pouco cuidados na sua concepção e com logs de registo de má qualidade. Já não se encontram pessoas de forma espontânea junto às caches com tanta frequência, e o contacto centra-se muito mais em eventos…é uma pena. Algum do brilho inerente ao jogo parece que desapareceu um pouco, ainda que por vezes mantido em algumas caches pontuais, ainda que mantendo-se como uma excelente oportunidade de conhecer locais novos, assim como as suas características ou história, num pequeno passeio ou mesmo numa viagem.

Talvez esta situação seja apenas uma questão leiriense. Mas é pena. Por mim, continuo a gostar do jogo, e a senti-lo da mesma forma que nos primeiros tempos, uma forma de partilha.

Geotime

Depois de algum tempo afastado, decidi voltar ao Geocaching. Com efeito, com uma vida profissional que faz com que cada momento de descanso seja aproveitado exatamente para isso, o tempo para as grandes caminhadas e para o hiking vai sendo menos (apesar de alguns percursos estarem em preparação, mas sem data prevista). Preciso de algo que me permita praticar mais perto, e ao mesmo tempo, ser mais uma solução para aproveitar não apenas os tempos livres das viagens em trabalho, mas igualmente alguns momentos nas viagens de lazer. O Geocaching é ótimo para descobrir territórios, culturas, saberes, e tem uma comunidade muito ativa. Não pratico há já alguns anos e, para ser sincero, tenho algumas saudades do sentimento de mistério que estas caixinhas provocam, e daquela ansiedade que surge ao abrir, transformando-se em prazer quando se encontram e se abrem, sendo que algumas são mesmo muito interessantes.

Já agora, o meu handle é: paulomcheleno .Estejam à vontade para contactar.

Crédito da imagem: Geocaching.Com

Frio e chuva

Do frio e chuva britânicos para o frio e chuva português…por entre voos internacionais e domésticos, finalmente de volta após uma semana de trabalho muito corrida. Ainda assim, e porque mesmo no meio do trabalho nunca devemos fechar os olhos aos pequenos prazeres que o mundo nos dá, terá sido das visitas ao Reino Unido onde pude usufruir de um pouco de paz natural, principalmente na minha estadia de duas noites em Wyncham Hall, na zona de Northwich. Uma casa de campo, restaurada, muito simples, enquadrada num cenário belíssimo, com um enquadramento verde que me permitiu alguns breves passeios matinais e de final do dia. Não tinha Wifi muito famoso…mas também não precisei dele enquanto lá estava…precisava sim do ar puro às portas de Manchester, e de poder diluir a velocidade dos dias num cenário de calma e paz, numa região norte de Inglaterra que aprecio particularmente desde que pela primeira vez a visitei…as pessoas tendem a ser mais simpáticas e um pouco mais abertas, ilustrando bem o princípio de que fora dos grandes centros, e particularmente em povoados pequenos, existe uma naturalidade e uma genuinidade que emana de uma vida diferente, num registo diferente, por vezes mais interior.

Para já, estou de volta ao frio e chuva portugueses. Talvez ainda volte a terras britânicas antes das férias, mas sinto a necessidade de, pelo menos durante algumas semanas, usufruir das minhas zonas de conforto. Para mim, que não assino por baixo a conotação negativa que nesta idade moderna se dá a esses pequenos espaços onde o tempo corre um pouco mais lento e sereno, elas são essenciais. Não podemos cair na tentação de confundir comodismo com conforto, realização de trabalho com realização pessoal…é preciso manter a vida naturalmente simples, e as nossas vidas devidamente separadas, pois nada pode ser dado, se nada também não for recebido, numa dinâmica interna de equilíbrio que, essa sim, é a base que cada vez mais devemos procurar na nossa existência.

PS – Não me esqueci dos podcasts, mas o tempo não tem sido muito. Dezembro trará o seu regresso.

Crédito da imagem: Wincham Hall

@ Pinterest

Convido a uma visita ao meu perfil na Pinterest, uma forma diferente, mais visual, de partilhar gostos, desejos, aventuras, de uma forma mais visual, aproveitando belíssimas imagens que se encontram por estas estradas virtuais fora. Viagens, livros, filmes, meditação, fotografia P&B ou vinhos são apenas alguns dos temas que poderão encontrar, num perfil que está sempre em evolução. Como sempre, e seguindo uma política que norteia toda a minha presença na internet, o seu a quem de direito…os direitos de todas as imagens exibidas pertencem exclusivamente ao seus autores.

Grato desde já pela visita.

Crédito da imagem: SEJ