Steve McCurry: a life in pictures

Não é segredo para ninguém que sou um fã de Steve McCurry. Já o disse aqui uma vez. Para mim, ninguém trabalha a cor como McCurry, e o seu trabalho faz com que este sempre fã do Preto e Branco, como o primado da forma e da sombra que faz sobressair a verdadeira luminosidade do sentir, não apenas do homem mas também do mundo; se compadeça e por vezes se torne pequena essência de nada na dimensão que a cor forma nestas fotografias, por entre um sorriso, uma lágrima, ou apenas um esgar de admiração pela forma como por entre a forma e a sombra, conseguimos pintar um mundo e uma humanidade tão bela.

O livro ainda não saiu, mas a Amazon já está a aceitar reservas de pré-venda.

Crédito da imagem: Steve McCurry 

Filmes que marcam

Não sou muito de participar em correntes no Facebook. Mas nesta participei. Achei interessante a partilha de imagens de filmes sem mais qualquer referências aos mesmos…existe um certo sentir de melhor saborear as escolhas, rever momentos interiores sentidos a ver esses filmes. A lista poderia ser enorme, pois são imensos os filmes preferidos, mas preferi escolher os que, desses, me têm marcado recentemente. Assim, sem ordem de preferência:

1 – Memórias de ontem / Only yesterday (1991)

2 – Sombra / Shadow (2014)

3 – Uma história simples / The Straight Story (1999)

4 – A princesa Mononoke / Princess Mononoke (1997)

5 – Do céu caiu uma estrela / It’s a wonderful life (1946)

6 – 2001: Odisseia no espaço / 2001: Space Odissey (1968)

7 – A viagem de Chihiro / Spirited Away (2001)

8 – Vale Abraão / Abraham’s Valley (1993)

9 – Livre / Wild (2014)

10 – Noruwei no Mori / NOrwegian Wood (2010)

Summer’s (almost) gone

Para aqueles que abdicam da praia, por estar nublado…

Ao caminhar pelo areal, num dia em que o cinzento escuro das nuvens por vezes se recorta em pedaços de céu azul, reparem em como a cor do mar muda, de um prateado intenso, para um azul esverdeado que se apresenta tão vivido quanto mais intensa for a luz. É algo para se ir apreciando pela caminhada, por entre a luz do que nos rodeia e, por vezes as nossas sombras.

Vale a pena ver como a natureza, nos momentos que pensamos menos oportunos ou agradáveis, se revela um tão fiel espelho de nós.

PS – Deixe o telemóvel junto dos seus. Desfrute o momento.