Ericeira revival

Ribeira D’Ilhas é um local especial para mim. É daqui que parte, e é aqui que termina, o trail da Ericeira, que fazia todos os anos. Era a última prova do ano (realizada em Dezembro), onde a esmagadora maioria do pelotão do TCC se encontrava para um convívio saudável em prova, conjuntamente com todos os outros participantes que acorriam ao evento. A prova era sempre realizada em Dezembro, e normalmente chegava à praia ainda de madrugada, onde me esperava um vento muito frio, de que gostava particularmente.  E, como prova, não era difícil…rolante, agradável no cruzar de uma paisagem de cores muito bem definidas pelo frio de inverno que se exprimia em dias claros e luminosos, e com uma parte final muito bonita por toda a costa da zona da Ericeira, culminando na escadaria final e na meta, instalada no surf restaurant que lá existe.

Hoje voltei lá, e senti alguma nostalgia…foi o segundo trail que fiz fora de Leiria, depois da experiência de Sintra, e foi o primeiro trail onde vivi de uma forma mais individual (nessa edição), a solidariedade e o calor humano dessas provas, ao ajudar um companheiro, com cãibras em ambas as pernas…durante o tempo que corri (cerca de 5 anos), ajudei alguns companheiros, e alguns companheiros me ajudaram, com algumas situações de ambos os casos a marcarem-me do ponto de vista humano, e que ainda hoje recordo com uma não disfarçada emoção…não sou pessoa de esconder as lágrimas…não faz sentido esconder o que faz parte de nós, e o que de nós diz tanto…

Não me arrependi nunca de deixar de correr. A harmonia que vivi com a montanha, nos Pirenéus, foi de uma amplitude tal, que o Trail Running deixou de fazer sentido na minha vida…a montanha ainda hoje reside em mim numa essência muito diferente, na paz mais ampla que essa harmonia me faz sentir…a ela desejo voltar (vamos ver se será este ano). Mas não esqueço os bons momentos que vivi no trail, especialmente quando assumi o corte com as provas leirienses, e fui em busca de pessoas, experiências e lugares diferentes, que me ensinassem algo mais fora das rotinas instaladas…todos encontrei, e com todos cresci um pouco mais enquanto homem.

E por isso hoje, juntamente com a nostalgia que era embalada por um belíssimo dia de sol, senti igualmente uma profunda gratidão.

Crédito da imagem: Paulo Heleno

Velut Luna

Com o começo do Outono, e no decorrer no Inverno, existe um equilíbrio natural em mim. São estações que me movem num caminho de paz e recolhimento, simplesmente desfrutando o aqui, o agora, independentemente de como se consubstanciam num tempo natural e interior, em abertura ao que me proporcionam.

Num desses momentos, assisti hoje na RTP 2 a uma representação da Carmina Burana, de Orff. Gravada no Théatre Antique D’Orange, em França, a belíssima interpretação musical aliou-se a um enquadramento visual que tornou o conjunto numa das mais belas interpretações desta obra a que já assisti. Por entre o som e imagem, música e pintura, os sentidos variam por entre a vincada dualidade das energias masculina e feminina, muito própria nesta obra, despertando o sentir e a consciência de um erotismo também nela contido. Cada cor, cada nota, vibra no interior, numa essência que reconhecemos como antiga e natural.

Se não viram, e apreciam o estilo clássico, aconselho mesmo muito a irem à vossa box e sintonizarem esta emissão.  Fica igualmente aqui um portefólio de alguma da cenografia utilizada.

Crédito da imagem: COSMO AV