Velut Luna

Com o começo do Outono, e no decorrer no Inverno, existe um equilíbrio natural em mim. São estações que me movem num caminho de paz e recolhimento, simplesmente desfrutando o aqui, o agora, independentemente de como se consubstanciam num tempo natural e interior, em abertura ao que me proporcionam.

Num desses momentos, assisti hoje na RTP 2 a uma representação da Carmina Burana, de Orff. Gravada no Théatre Antique D’Orange, em França, a belíssima interpretação musical aliou-se a um enquadramento visual que tornou o conjunto numa das mais belas interpretações desta obra a que já assisti. Por entre o som e imagem, música e pintura, os sentidos variam por entre a vincada dualidade das energias masculina e feminina, muito própria nesta obra, despertando o sentir e a consciência de um erotismo também nela contido. Cada cor, cada nota, vibra no interior, numa essência que reconhecemos como antiga e natural.

Se não viram, e apreciam o estilo clássico, aconselho mesmo muito a irem à vossa box e sintonizarem esta emissão.  Fica igualmente aqui um portefólio de alguma da cenografia utilizada.

Crédito da imagem: COSMO AV

Velas LED

Com a renovação nos meus espaços aqui de casa, vou igualmente conhecendo algumas novas formas interessantes de os recompor. A primeira que me chamou a atenção foi a existência de velas LED, aqui usadas como luz associada a um pequeno centro de paz (que já havia mostrado), e que surgiu onde existia toda uma confusão de objetos.

Descobri-as num dia em que fui ao Espaço Casa, e em que por acaso refletia sobre como ia resolver a questão das velas, algo que gosto profundamente e que desde sempre, está presente nas minhas práticas de Reiki e Meditação, ou simplesmente para contemplar a sua luz no silêncio da noite, sem um qualquer objetivo definido. Sendo a minha casa já antiga, e com uma grande parte feita em madeira, tenho sempre algum receio da utilização algo de velas, apesar de alguns dos suportes ou enquadramentos que vejo para as mesmas me induzir alguma segurança. Ainda assim, em virtude de um pequeno susto há um par de anos, nunca me senti 100% confortável. O que me atrai na vela é a luz…o ponto de luz que flutua na noite, que foca a minha mente para a libertação meu espírito. Igualmente, um ponto de luz onde recai a minha intenção de paz, harmonia e evolução, seja para mim, para o próximo, ou para o mundo. Estas velas LED ajudam-me assim bastante nesta renovação, dando-lhe um cunho mais vincado, mais perto do que é a minha intenção, afastando os receios que ainda existiam. E quanto ao purismo da chama, e da vela de cera…se algo cada vez mais a vida me ensina, é que nada detém um monopólio de nada, seja na visão absoluta, seja na visão relativa…interessa sim, a energia que parte de nós, harmonizando-nos com o ambiente que nos rodeia.

Quanto às velas propriamente ditas, as que se podem ver na imagem são compradas num pack de 2 unidades, cada uma já contendo uma pilha CR2032, por €4,95. Ainda não vos sei dizer quanto elas podem durar, mas posso-vos dizer que estão a fazer hoje um mês. Têm uma intensidade forte no início, que depois se reduz um pouco, ficando estabilizadas num nível de iluminação ambiente agradável. Vão definitivamente surgir mais cá em casa, não apenas porque estou muito satisfeito com elas, mas igualmente porque, pelo que tenho pesquisado, existe toda uma miríade de modelos e estilos que me agradam muito. Um caminho a seguir, entre outros.

Crédito da imagem: Paulo Heleno

Akiko

Uma mulher perdida numa estrada noturna. Uma visão da passagem entre vidas por entre o cenário vazio de um qualquer momento de transição, onde a vida e a morte se consubstanciam em harmonia num cenário sem tempo, e onde a personagem se busca no meio da busca do que vai acontecendo ao seu redor, ao mesmo tempo que revive os seus últimos momentos na realidade da sua vida. Gostei muito deste Akiko, escrito e realizado em 2008 por Michael Sewandono. Um exercício visual muito bem conseguido e que vale a pena ver.

Ficha IMDB

Crédito da imagem: LEV Pictures

Renascer

Os primeiros dias de sol do ano trazem consigo um desejo grande dele usufruir. Talvez aliado a um sentir de ano novo, a luz parece refletir-se de forma mais vasta e brilhante por entre o ar frio, despertando-nos na mente uma imagem de dinâmica que nos faz retomar as atividades entretanto suspensas (normalmente por causa da chuva), e sonhar com um verão não tão distante quanto se possa pensar.

Existem, contudo, por entre esta anualmente renovada promessa de luz, dias mais cinzentos. Como o de hoje. Dias onde o frio se esconde por entre as nuvens, e por entre as nuvens surgem períodos de chuva mais ou menos intensa. Confesso que, depois de um dia um pouco difícil como o de ontem, sinto-me atingido por este manto cinzento, o que não é nada normal…não tenho por este tempo um desagrado militante, sendo que muitas vezes me proporciona tardes de excelente leitura ou de desfrute musical, libertando bastante a minha mente para um merecido descanso ao sabor de um chá bem quente.

Mas hoje, ao contrário do meu bonsai, também me sinto um pouco cinzento. Ele, o bonsai, sendo de interior, nunca cede perante a chuva que por vezes o deixo apanhar, e desde que está comigo, já há mais de meio ano, que por entre ocasionais pequenos banhos matinais vai crescendo, tornando-se mais verde na alegria dos rebentos que nascem por entre a maturidade da folhagem que os rodeia…não consigo deixar de pensar, por entre o cinzentismo do dia, que as plantas não esquecem os ritmos naturais e sazonais, tal como nós há muito os esquecemos, e que neles vivem num equilíbrio intemporal de energias díspares que nos erguem e derrubam num ciclo de harmonia natural, sem os limites que aprendemos a nos colocar, longe no passado ou distantes no futuro.

É uma ideia que me devolve o estado habitual, de sentir que o sol sempre brilha por cima das nuvens, as mesmas nuvens que fazem renascer a natureza no mundo, para mais um ano de uma viagem imensa de vida que nos inspira e nos move. Nada é fundamentalmente mau ou bom. Tudo caminha à nossa volta, deixando-nos um pouco mais maduros na nossa caminhada e capazes de ver horizontes cada vez mais distantes no espaço ou cada vez mais profundos em nós. E o chá…bom…esse já está frio…é tempo de fazer mais.

Crédito da imagem: Paulo Heleno