Haus am Horn I – Contexto

67594720_2496049553759435_7661003405770358784_o
Crédito: @bauhausmovement

Neste centésimo aniversário da Bauhaus, uma das suas primeiras criações tem assumido um particular destaque, a hoje famosa Haus am Horn. É um marco que merece ser destacado, principalmente quando se analisa o período Weimar da escola, por ter sido  o foco da primeira apresentação pública do trabalho lá realizado.Mas vamos ao inicio.

Embora em atividade desde 1919, foi em 1922 que a Bauhaus teve oportunidade de publicamente mostrar o seu trabalho, por via das condições inerentes à  obtenção de um subsídio proveniente do governo de Weimar, que estabelecia a obrigatoriedade da realização de uma exposição pública das atividades da escola. Vivia-se ainda o cenário decorrente do final da Primeira Guerra Mundial, com a economia alemã pressionada pela fraca capacidade de geração de riqueza, e pelo ressarcir de indemnizações de guerra às potências vencedoras. Era um ambiente restritivo, que fazia com que a sociedade alemã visse de forma longínqua os anos de enorme abertura social e cultural que antecederam a guerra, fazendo da Alemanha  um dos estados mais progressistas da Europa em termos das ideias, da arte, e mesmo da interação desta com a indústria. As dificuldades económicas criavam uma atmosfera propícia à dúvida e ao ceticismo em relação a projetos como a Bauhaus, que se afirmava decididamente como progressista (e sempre modernista), a que se associava o facto de a nomeação de Walter Gropius como diretor deste novo projeto não ter merecido um entusiasmo claro no Governo, ao contrário do que aconteceu com alunos e professores.

A atribuição deste subsídio, com a exigência referida acima, foram abordados de forma decidida por Gropius e por todo o grupo da Bauhaus, com algumas medidas especiais a serem implementadas, como a extensão das horas dedicadas aos workshops ou a interrupção da admissão de alunos no verão de 1923. No campo da idealização da forma desta exposição, no meio das várias ideias apresentadas, uma sobressaiu, proveniente do Conselho dos Mestres: a criação e construção de uma casa completa, na sua edificação exterior e composição interior, como principal atração e foco da exposição e dos princípios orientadores da escola, em sinergia com a nova realidade económica do pós-guerra. Com efeito, as dificuldades económicas e a escassez de recursos materiais e energéticos pareciam abrir um caminho para os princípios inerentes á economia e eficiência da construção, ou da produção em fábrica, algo que estava inerente à génese do pensamento da escola, e ao pensamento mais estruturado de Gropius, retomando e levando mais além o conceito das Werkbunds, anteriores à guerra.

A escolha da ideia a ser explorada foi realizada num concurso interno, com uma votação final para a decisão. Várias surgiram, incluindo uma do próprio Walter Gropius, mas foi o desenho de George Muche, o mais jovem mestre da Bauhaus, ministrando as disciplinas de pintura e tecelagem, que venceu o concurso, com um desenho que curiosamente nada mais era do que a idealização de uma casa destinada a si e à sua família. Nascia assim a primeira versão da Haus am Horn, cujas linhas e planeamento foram sendo refinados até ao início da construção em abril de 1923, supervisionada pelo gabinete de Gropius, através de Adolf Mayer. Contudo, este período que mediou entre a escolha da ideia e o início da construção (e mesmo durante a mesma) foi caracterizado por profundas dificuldades nos financiamentos, afetados pela realidade inflacionista na República de Weimar (e que iria ter como consequência, juntamente com a crise de Wall Street em 1929, a ascensão do partido nazi ao poder). Os donativos rapidamente perdiam valor, e apenas concedendo a posse posterior da casa ao industrial de Berlim Adolf Sommerfeld, em troca de um financiamento contínuo, foi possível levantar a obra. Por outro lado, muitas empresas, nomeadamente as de cariz mais inovador, trabalharam no projeto numa perspetiva de obtenção de lucros futuros pela associação ao mesmo, enquanto que outras o fizeram a preços de custo.

A casa ficou pronta para a exposição do trabalho da Bauhaus, em Setembro de 1923, tendo sido uma das suas principais atrações. No próximo artigo, iremos analisar a casa em algum pormenor, desde a localização escolhida (um terreno onde eram colhidos os legumes e as frutas para a cantina da escola), linhas exteriores e construção.

Boris, the menace

BRITAIN-EU-POLITICS-BREXIT-CONSERVATIVE
Crédito: Getty Images

A vitória de Boris Johnson no escrutínio interno dos conservadores ingleses poderia não ser considerada uma tragédia se o bom senso, por uma vez em toda esta polémica do Brexit, saísse vencedor com a convocação imediata de eleições gerais. Mas a razão já não pára pelas terras da Velha Albion, e basicamente, iniciou-se esta semana o início de uma verdadeira sinfonia trágica chamada Reino Unido, que, mantendo-se a posição da Escócia, de se manter na UE como membro de pleno direito, terá os dias contados, fazendo com que a remanescente Inglaterra regrida a anos de crise, e de um clima de tensão na Irlanda do Norte.

Numa análise da votação realizada por Bernardo Pires de Lima (@Bernardo_PL) no seu twitter, votou 0,2% da população, 70% deles homens, com uma média de 55 anos, e 97% brancos. É mais uma vez a Inglaterra profunda, do countryside eminentemente agrícola e envelhecido, das pequenas cidades e dos vivas ao império nos pubs que define o futuro de todo um país, baseada na quimera de ilusões que ainda sobrevive na sua mente coletiva desde o referendo, muitas delas acerrimamente defendidas na altura por Boris. E mais uma vez a multiculturalidade londrina, a juventude, as academias ou o dinamismo económico do Northeast saem derrotados. Talvez realmente não haja lugar na UE para este Reino Unido, demasiado inglês para os valores e os desígnios que esperam a Europa nos anos e na década vindoura.

O gelo de Mogadouro

 

granizo
Crédito: TSF

Não pretendendo ser um post extenso, devo dizer que esta foi uma semana em que se falou muito de alterações climáticas em Portugal…sem realmente se falar. Das areias na Costa da Caparica e o crescente domínio que o mar vai tendo sobre aquela zona, até à tempestade de granizo em Mogadouro, em pleno Julho, este foi um tema que pode ter estado no nosso subconsciente, mas  pouco ou nada emergiu que não a descrição dos eventos e das soluções conjunturais encontradas.

Numa realidade natural onde, no nosso âmbito regional, cada vez mais se vão sentindo os efeitos de fenómenos extremos, desde as tempestades (locais ou tropicais) aos incêndios florestais, passando por alterações bem visíveis no próprio clima, Portugal vai adiando um muito necessário debate interno sobre estas questões. Algo que, infelizmente, também assistimos no contexto europeu, onde a península ibérica, pelo facto de ser uma das zonas com maior desequilíbrio potencial, originado pelas alterações climáticas, não se assume como um dos pólos dinamizadores desta análise europeia. Certo é que até 2050, e com maior incidência no período posterior, Portugal pode sentir o impacto das alterações climáticas em setores de importância estratégica da economia, desde o turismo até à agricultura, florestas e pescas (bem como respetivas cadeias de abastecimento e unidades transformadoras associadas), para já não falar nos possíveis impactos nas populações motivados por uma progressiva desertificação da região sul do país e de alterações nos aglomerados costeiros.

Exige-se uma preparação estrutural, assente nos atuais modelos científicos sobre este tema e numa correspondente visão estrutural a prazo da sociedade e economia, seja no contexto nacional ou europeu. Este é, numa visão macro, também uma questão geracional. Os dados presentes apontam para que os nossos filhos e netos herdem um mundo, um continente europeu, e uma península ibérica, muito diferentes das atuais, mais exigentes nos desafios colocados aos seus habitantes. É inquestionável a responsabilidade das gerações anteriores no cenário que irão encontrar…mas essas mesmas gerações anteriores podem iniciar a preparação um futuro que será inevitavelmente de muitas mudanças, numa visão assente numa abordagem sustentada e de união face a este desafio, olhando o planeta de uma forma diferente, talvez mais interior, deixando emergir uma nova forma de buscar e viver a felicidade. Serão eles. os nossos filhos e netos a avaliar o nosso esforço perante as suas necessidades.

Brexit

brexit
Crédito da imagem: Duncan Hill

As manifestações que ontem se realizaram em Londres nada mais são do que uma tentativa do povo britânico de retomar a capacidade de decisão sobre o final desta novela. Por via da imprensa falada ou escrita, o país tem sido inundado por um conjunto de debates e expressão de ideias que, na prática, se consubstanciou em muito pouco, com a verdadeira ação a ter lugar em Whitehall, numa sucessão de debates absolutamente lamentáveis, e que têm apenas como objetivo dar expressão pública às correntes que se vão movendo dentro do Partido Conservador para a substituição de Theresa May, e um Partido Trabalhista, sem rumo definido, que orienta as suas velas de acordo com os ventos dominantes, sejam eles quais forem, desde que resultem em eleições antecipadas.

Theresa May cometeu um erro fundamental. O de continuamente afirmar que o Brexit era a decisão expressa de uma vontade dos britânicos, à medida que com o passar do tempo, o país ia sendo invadido por revelações sobre os bastidores da campanha do Brexit que cada vez mais indicavam que interesses políticos e financeiros, muitas vezes em conluio, se organizaram para que o resultado fosse o que se verificou. E principalmente na zona de Londres e de outras grandes cidades como Manchester, crescia principalmente a indignação das gerações mais jovens, até aos 30 – 40 anos, assim como a preocupação do tecido empresarial. Por entre os dois, o espectro de uma recessão alargada e prolongada na economia britânica esteve sempre presente nas discussões.

Continuar a ler

Brasil – segundo turno

Chegamos então ao segundo turno das eleições no Brasil. O caminho feito até aqui, desde o primeiro turno, não trouxe nada de novo em termos de estratégias, típicas de uma segunda volta. em qualquer país. Os discursos são mais fluídos nas propostas apresentadas, tentando acomodar o eleitorado “orfão” do primeiro turno, mas igualmente procurando facilitar as negociações políticas  para um congresso que se prevê dividido, uma questão particularmente importante, dada a escolha mais radical de “vices” feita por ambos os candidatos.

Bolsonaro claramente suavizou um pouco o discurso em questões governamentais, retirando certezas da nomeação de Paulo Guedes para um super-ministério da fazenda, economia e desenvolvimento (inclusive lançando dúvidas sobre a criação do mesmo). A junção da agricultura com o ambiente foi também algo em que Bolsonaro pareceu recuar, juntamente com importantes referências de manutenção no acordo de Paris e ao não encerramento da fronteira com a venezuela (ambas importantes no cenário regional e global), tudo mostrando que de facto, a época da negociação política referenciada acima estava em curso). Ao contrário, Bolsonaro manteve a rudeza e a violência no discurso sobre segurança e corrupção, mantendo o sentimento anti-PT como driver fundamental de uma retórica que mais uma vez levantou dúvidas sobre o futuro democrático do Brasil. Continuou igualmente a campanha centralizada nas redes sociais, fazendo circular todo um manancial de fake news em circuito fechado, aumentando o surrealismo de uma campanha que levou o modelo Trump a um novo e infeliz nível ( a intervenção do Facebook e do Whatsapp, para além de tardia face aos indícios que já existiam, foi escassa. Ainda assim, podemos considerá-la um fator mediano na queda de Bolsonaro nos últimos dias.

Quanto a Haddad, já se lhe antecipava o caminho das pedras. Manter o fiel eleitorado do PT enquanto se lançam pontes para uma aliança anti-Bolsonaro nunca seria um exercício fácil no Brasil, depois da forma como o PT, nos anos de governo, tratou o centro-esquerda e o “centro”. Ainda assim, Haddad conseguiu parcialmente fazer essa ponte junto do eleitorado com a ajuda do aumento de rejeição a Bolsonaro, muito baseado na reação aquele discurso “caseiro” do candidato radical; de uma intervenção ao nível de certos núcleos evangélicos que, originalmente apoiando Bolsonaro, alteraram o seu apelo de voto, e com a intervenção de praticamente toda a classe cultural brasileira, que tem intervido em peso nos dias finais da campanha. Outro dos fatores importantes foi a intervenção direta de milhares de voluntários numa estratégia de contacto direto com as pessoas, muito em contraponto com a presença na net de Bolsonaro, promovendo uma “virada”no sentido de voto. A expressão desta tática foi muito forte em S. Paulo, tendo as sondagens ilustrado uma inversão no sentido de voto na cidade. Uma inversão que, em menor escala, se tem feito sentir ao nível nacional, principalmente na última semana, gerando uma onda forte de entusiasmo num sprint final tão interessante quanto indefinido. Ciro Gomes ainda não definiu qualquer orientação pública face ao seu sentido de voto, fazendo com que os 12% de votos expressos que atingiu no primeiro turno sejam uma parte do joker que irá pairar amanhã sobre estas eleições, ao mesmo tempo que mostra que a negociação para o Congresso pode ser bem mais complexa do que a congregação do eleitorado do centro numa frente anti-Bolsonaro, muito guiada pelo medo. A outra parte serão os cerca de 16% de indecisos, cuja provável orientação é, neste momento, bastante difícil de definir.

Veremos amanhã como será orientado o sentido de voto dos brasileiros. Depois, vem aí um dia absolutamente crítico para o futuro deste novo ciclo: o 29 de Outubro de 2018.