Dia do cuidador informal

Celebra-se hoje o dia do cuidador informal. Volto a publicar aqui o podcast que fiz sobre este tema, deixando aqui mais uma vez a ligação para o site da Associação Nacional de Cuidadores Informais. Num período de discussão do Orçamento de Estado para 2019, esta é uma boa altura para todos, enquanto sociedade, nos lembrarmos das dificuldades por que passam estas pessoas na sua entrega ao próximo, pontualmente, e de forma escassa ajudadas de forma exígua pelo Estado, seja em apoios monetários ou apoios nos cuidados de saúde, não apenas para quem é cuidado, mas igualmente para quem cuida (apesar de, neste último caso, existirem alguns casos interessantes em termos da atividade de algumas unidades de saúde).

Falo de pessoas que, numa esmagadora maioria, abdicam da sua vida profissional (e mesmo pessoal) para se dedicarem a ascendentes ou descendentes com doenças crónicas graves ou deficiências, caindo com frequência na pobreza ou, pelo menos, em profundas dificuldades de subsistência, sem emprego, e dependendo da solidariedade para com elas, e para as pessoas ao seu cuidado. Urge que o Estado assuma as suas responsabilidades no apoio a estas pessoas, e que a sociedade civil também veja o problema de uma forma mais integrada, nas organizações locais, nas empresas, nas iniciativas privadas de solidariedade…necessitamos de caminhar para um novo paradigma de cuidados de saúde para enfrentar esta realidade cada vez mais presente, e que um dia, pode vir a ser a realidade de qualquer um de nós.

Crédito da imagem: DN (Reportagem sobre cuidadores informais)

Social – Cuidadores informais

A temática dos cuidadores informais tem estado na ordem do dia. São mais de 800.000 em Portugal, e entregam o seu Amor com dedicação aos seus familiares que, sejam pessoas idosas, sejam crianças e jovens, se encontram em estados de doença ou fragilidade avançada. Conheça um pouco mais das suas realidades, e apoie esta causa. Poderá encontrar informação complementar em:

Website – Associação Nacional de Cuidadores Informais

Facebook – Associação Nacional de Cuidadores Informais

É também com esta temática que também se inaugura a nova série dos podcasts do Omnia in Unum. Conheça as novidades no início do episódio.

A parte essencial

O que fica após ver A Parte Essencial, uma curta metragem portuguesa de 2012é uma sensação de intimismo muito nítida, que persiste numa identificação clara com os testemunhos apresentados…numa base de animação bem conseguida em termos de visão do filme, o testemunho de pessoas que passaram pela experiência da leucemia interage com os testemunhos de pessoas que assumem o papel de dadores de medula, numa mensagem pessoal e equilibrada. Aqui sentimos um discurso íntimo, sem chavões, onde ideias como o recomeço, a esperança, a necessidade de mudar, viver, transformar, num aproveitamento diferente do tempo que temos e das relações que vivemos, é base comum. Encontramos esta dicotomia na relação entre os testemunhos, contextualizados visualmente por fotografias das próprias pessoas, numa montagem simples mas bem conseguida, e a animação de cenários tristes, secos, desolados, com alguma referência à construção de algo que rapidamente se vai…um retrato muito interessante, mesmo em termos da forma como na sociedade vivemos até a abordagem e a discussão destas situações, quase sempre envolvidas num embrulho de plástico numa pseudo nova era que de facto, não existe enquanto coletivo.

Sinceramente gostei. Uma mensagem muito positiva sobre a vida, a doença, o Ser e o Sentir, num conceito visual muito simples, mas igualmente muito leve.

Crédito da Imagem: Desconhecido. Solicito informação