Geotime

Depois de algum tempo afastado, decidi voltar ao Geocaching. Com efeito, com uma vida profissional que faz com que cada momento de descanso seja aproveitado exatamente para isso, o tempo para as grandes caminhadas e para o hiking vai sendo menos (apesar de alguns percursos estarem em preparação, mas sem data prevista). Preciso de algo que me permita praticar mais perto, e ao mesmo tempo, ser mais uma solução para aproveitar não apenas os tempos livres das viagens em trabalho, mas igualmente alguns momentos nas viagens de lazer. O Geocaching é ótimo para descobrir territórios, culturas, saberes, e tem uma comunidade muito ativa. Não pratico há já alguns anos e, para ser sincero, tenho algumas saudades do sentimento de mistério que estas caixinhas provocam, e daquela ansiedade que surge ao abrir, transformando-se em prazer quando se encontram e se abrem, sendo que algumas são mesmo muito interessantes.

Já agora, o meu handle é: paulomcheleno .Estejam à vontade para contactar.

Crédito da imagem: Geocaching.Com

Desvio 45

O aproximar de uma tempestade é sempre uma boa razão para se voltar às curtas do Indie. Deste vez, mais um exemplo de bom cinema português, do já longínquo ano de 2002. Escrito, realizado e produzido por António Borges Correia, Desvio 45 é uma história de distorção temporal muito bem escrita e realizada…enquanto um casal de idosos simula uma viagem, num carro parado algures num descampado (onde outros idosos vão jogando voleibol), um casal jovem inicia a sua viagem de lua de mel. As ações de um casal são o espelho das ações do outro, uma técnica que poderia ser considerada cliché, mas que aqui surge com qualidade, não nos passando pela mente de que já a vimos em bastantes filmes…chegados a um desvio, o casal jovem entra por uma estrada secundária que os leva a ficarem perdidos, sem combustível, o que os leva a caminhar por entre o descampado, encontrando o seu futuro, no casal idoso que simula a viagem num carro que, na sua mala, tem um reservatório de gasolina, que permite ao casal mais novo seguir a sua viagem.

Essencialmente é um trabalho muito bem escrito, com uma boa realização. Com a música de João Gil a dar um toque muito positivo à criação de uma atmosfera de intemporalidade que marca todo o filme, que nos faz pensar se a idade não será apenas uma desculpa para pretendermos alargar a nossa imaturidade.

Ficha IMDB

Crédito da imagem: António Borges Correia

Omnia in micro – 7

“O homem que se busca raramente é o homem que se encontra…na intenção da busca reside a afirmação de um caminho, por entre os extremos de uma escolha. Mas o homem que caminha, nem se busca nem se encontra. Ele apenas desfruta. Não se consome no tempo que se esvai, pois é no tempo que liberta a sua jangada à deriva no rio. “

Lentamente pousou o caderno, fixando o olhar no horizonte…

“Se fores o que sentires” continuou “ousa libertar-te desse sentimento…desfruta a paz que sempre emerge de simplesmente esqueceres o que serás”

Outono

Ao contrário da maioria das pessoas, não me sinto cair numa tristeza algo anunciada na transição para o outono. Se o verão normalmente significa calor, o desfrute dos dias de luminosidade intensa que nos abre ao azul do mar, banhando a nossa praia interior; o outono traz-nos uma palete de cores que nos alimenta a alma pelas longas caminhadas em que o vermelho e o amarelo sobressaem num céu mais ou menos azul, mas sempre enquadrando esta tão invulgar palete.  Se no verão desfruto da energia positiva que me rodeia, e que emerge de um extravasar de energia de um certo libertar interior, o outono traz-me, por contraponto de equilíbrio, o recolhimento e a contemplação introspetiva da natureza por entre finais de tarde envoltos em tons dourados, por vezes entre os meus livros, apreciando de forma mais tranquila locais que no verão são literalmente inacessíveis dado ao volume de pessoas que os visitam ou frequentam. É igualmente a altura de me perder um pouco na montanha, ou nas praias que, já vazias, continuam a chamar quem nelas sempre se renova…

Bem-vindo Outono. Obrigado pela tua companhia sempre amiga.

Crédito da imagem: Desconhecido. Solicito informação.