Fim de semana prolongado…

Confesso que nunca tive a sensação de um fim de semana prolongado tão curto como o que passou. Muito por causa de uma sexta-feira e de uma viagem ao Alentejo que teve tanto de prazer como de sofrer. Por entre a longuíssima viagem pela A23 e pelo IP2, sem grandes estruturas de apoio (tirando a estação de serviço de Abrantes onde tive obrigatoriamente de repousar no regresso), e o facto de tudo o que pretendia visitar estar fechado, ficou a recordação dos caminhos de negro por entre o dourado dos campos onde os vinhedos ocasionais sobressaem, anunciando novo vinho num Outono já anunciado. Seja no litoral, seja pelo seu interior, andar pelo Alentejo é um festival interior de libertação, usufruindo de um espaço, de uma amplitude de olhar que se estende e liberta-nos em cada centímetro de terreno que se vislumbra no horizonte. Terra de luz, de uma tela de paz, terra da parte do meu equilíbrio que busca a sua contra parte no Norte, nas terras do Demo que o Torga cruzou, e nas montanhas que nos inundam. Ainda assim, o calor e a fraqueza fizeram-me cair um pouco…senti que um dia tão bonito foi um dia algo perdido por entre dores de cabeça, naprosyn, e um esforço enorme e desgastante de condução…ao mesmo tempo, tive igualmente pena de, em virtude de ser feriado, não ter podido voltar à Adega Mayor ou ao Museu do Café (agora Centro de Ciência do Café)…tenho refletido muito no meu caminho profissional, e na sua evolução, e é sempre um prazer fazê-lo naquela extensão de terreno enorme e mágica que, para mim, significa Gestão em Portugal, e que tenho como referência de ética, no meu crescimento profissional. A Delta é sempre uma visita obrigatória quando vou a Campo Maior…por outro lado, Vila Viçosa e o seu Paço Ducal fizeram jus ao país de turismo “afirmativo” em que Portugal se vai tornando, permanecendo fechado no feriado, deixando todo um conjunto de carros à porta…

Na próxima há mais. Há sempre mais quando algo de novo define a nossa busca. Foi o que senti quando, já em Leiria, rapidamente recuperei para um profundo relaxamento. No dia a dia pensamos por vezes que rapidamente as coisas podem desaparecer, de um momento para o outro, a uma velocidade que envergonha os incautos segundos no relógio…mas fora esse período algo estranho de existência, nada pode desaparecer se ainda não cumpriu a sua missão em nós…e ainda existem muitos caminhos a trilhar. Preferencialmente com muitas estações de serviço, um microcosmos que aprecio particularmente na observação das pessoas. Mas… isso fica para outro post.

Crédito da imagem: Paulo Heleno

Omnia in micro – 4

Nas férias sentia, claro, paz. Trazida pelo sol quente ou pela neblina mística, que surgiam na praia…uma aparente dicotomia, unida por extremos, mas gerando sempre harmonia, e nela, consubstanciando-se essa paz. Igualmente o descanso, ou a dedicação aos seus projetos particulares, formavam uma nova dicotomia, mais mental, herdando essa paz, irradiada da alma…mas foi ao cuidar do seu bonsai, da terra e da sua rega, que sentiu as férias como o regresso a um estado puro em si mesmo…compreendeu então que a vida nada mais é do que o caminhar do essencial, para o essencial, deixando-se fluir por vários níveis da nossa existência, sem partir e sem chegar. E esse, no âmago das rotinas diárias, é o verdadeiro Caminho do Meio, individual, de cada um.

Crédito da imagem: Desconhecido. Solicito informação.

Praia em férias II

A costa da zona centro tem estas coisas. Dias muito bonitos de sol e calor, ou uma invasão de ar marítimo, que baixa às temperaturas e afasta o sol. Mas ainda assim é uma ótima viagem a partir de Leiria, por entre uma natureza que se vai regenerando depois da tragédia do ano passado…por entre os pinheiros ainda queimados, há toda uma cor que vai nascendo do cinzento da terra e que, por entre verde, amarelo e lilás, nos deixa uma sensação de paz, na lição da terra que se regenera…depois, um café bem quente e um pequeno passeio junto ao mar, porque nestas manhãs mais fechadas existe sempre um encantamento especial, uma sensação de calma profunda, de se ter cruzado uma linha, uma dimensão…é algo que vulgarmente sinto nos meus passeios marítimos, mas que se intensifica profundamente nestes dias. Depois o regresso…certamente todo este cenário abrirá durante a hora de almoço, ou um pouco para lá dessa hora, mas com um calor que torna desconfortável a viagem, e mesmo qualquer tipo de passeio marítimo, pois sempre fui um pouco antagonista de temperaturas mais elevadas. Para já não falar na praia repleta de gente.

Muito provavelmente amanhã terei o mesmo cenário…e muito provavelmente a rotina será a mesma, tirando o facto de que tenho de comprar terra para o meu bonsai. É também um bom dia para partilhar alguns momentos de maior paz com um companheiro de folhas e raízes, sempre presente…

Crédito da imagem: Paulo Heleno

Praia em férias

Quando chego pelas 8:30 da manhã, já a praia se vai enchendo. Está calor, e por aquela hora parece emergir uma consciência coletiva de que ainda irá estar mais, algo que se vê por entre chapéus e famílias que debaixo deles vão experimentando a melhor posição para se protegerem do sol que já se vai fazendo presente. Vou caminhando pelo areal da parte central da praia, bravamente carregando a minha vastíssima coleção de conteúdos balneares. Uma toalha, um protetor solar, um telemóvel e um livro. Deverei dizer neste ponto que, embora vasta, não é das maiores…fico sempre reflexivo com a quantidade de coisas que as pessoas levam para a praia. Ainda mais do que os comportamentos, a quantidade de coisas avulsas e desnecessárias capta-me o olhar…mas não é um problema meu. Mesmo que pudesse ser, tenho uma real dificuldade em tentar perceber coisas que até certo ponto são comuns. Talvez pela minha visão muito particular da vida, acredito que o essencial é simplesmente isso. O essencial. E sou feliz na sabedoria que adquiro no essencial das coisas. O resto faz-me realmente muita confusão.

Mas a esta hora, já os barcos foram ao mar, e do mar já nos mostram o produto da sua faina, com a habitual multidão à sua volta. Para ser sincero, talvez seja o momento mais genuíno do dia…tenho um particular fascínio pela arte xávega e pelas suas gentes, que me ficou de criança e jovem, das imagens impressionantes de barcos a remos a entrar no mar, apenas com a força de braços de homens no seu interior e exterior, e uma estrutura de troncos cilíndricos. Na memória consigo igualmente encontrar as imagens das inúmeras vezes que em inúmeros verões ajudei a puxar as redes, naquele que era um trabalho de equipe entre pescadores e veraneantes. Aprendi muito sobre o mar nessa fase da minha vida, aumentando o meu fascínio por ele. Hoje em dia, os barcos já possuem motor, são assistidos na entrada para o mar por tratores, que depois puxam as redes. Ainda assim, cada barco continua a ser um ponto de encontro entre pais e filhos, e um ponto de união geracional onde algo ainda se pode aprender num certo sentido de comunhão com a natureza, pela natureza, e da interação que temos com ela. E estes momentos são cada vez mais fulcrais no nosso destino.

Mas vai sendo altura de partir. Desta vez a nortada não me empurra, e um invulgar vento de sul, mais quente, vai inundando a praia. Por entre os meus passos, numa caminhada díficil por entre uma beira-mar muito cavada e uma areia fina que torna tudo um pouco mais cansativo, ela vai ficando mais vazia, mais calma, bailando no vento aquele peculiar concerto energético entre o mar e terra, onde apenas as gaivotas bailam…hoje estão mais em terra, em bandos bastante numerosos, indicando alguma tempestade pelo mar alto. Vou caminhando até esta bandeira… Lentamente ela vai ficando maior, sinalizando uma nova meta para uma nova partida, onde as pegadas e as marcas se vão esbatendo no areal, até desaparecerem no horizonte.

Também eu irei desaparecer neste pedaço de manhã. Pois chegado a este lugar, sou apenas mais um ser vivo, peregrino da criação que me ergue na imensidão da paz. Cheguei a casa. É altura de continuar.

Crédito da imagem: Paulo Heleno