Abrac…inhos

hugging
Crédito da imagem: India.com

Hoje fiquei a saber que há uma forma mais “normalizada” de dar um abraço. Nunca é tarde para aprender…é, basicamente, algo mais formal, colocando-nos um pouco de lado e pousando o braço nos ombros da pessoa. Para mim, que sempre valorizei muito este gesto, esta forma mais distante, mais protocolar de abraçar (um pouco como um cumprimento frequente e regular) causa-me alguma impressão, para não dizer que me é um pouco inócua. Abraçar é, para mim, algo de mesmo muito especial, que me permite sentir e comunicar com o próximo, em silêncio, por via da expressão do toque, dando-lhe uma sensação envolvente, tornando-a naquela forma de expressão que instintivamente entendemos, e que intuitivamente passa uma mensagem, um sentir, pelo contacto entre as diferentes vibrações de duas pessoas.

Por mim, continuarei a utilizar o beijo e o tradicional “passou bem” para esse tipo de cumprimentos, até porque, para ser franco, não partilho um abraço com facilidade. O Abraço, esse, sempre continuará a revelar-se na espontaneidade do seu surgir. Nunca forçado. Sem tempo, no momento certo.