Omnia in micro – 9

Sobre um azul que nunca vira, num verde que nunca sentira, deitou-se junto ao abrigo de montanha abandonado, naquele planalto dos Pirinéus. Ali, acima dos 2500 m de altitude, havia um silêncio que nunca conseguiu encontrar em si mesmo…emergia dos pequenos fios de água que plantavam a terra, ou dos badalos das vacas que pastavam, tomando conta de si, fazendo-o encostar a cabeça à parede do abrigo, simplesmente contemplando a montanha em frente, erguendo-se no céu.

Não ficou. Mas ficou de um dia voltar…dois anos depois, no final de um dia de trabalho, puxou a si o caderno dessa viagem, e logo lhe surgiu a frase de Muir:

“The mountains are calling and I must go”.

Nota humana sobre Monchique

Tenho visto no Twitter algumas críticas às pessoas que, avisadas pela GNR, se recusam a abandonar as suas casas e pertences, devido ao incêndio que lavra na zona de Monchique. Dizem, ao que li, que parece impossível que em 2018 se tenha este tipo de atitude. Para ser franco, sei o que é a aflição de ver fogo perto de casa. E, para além do fogo, que não foi uma situação muito grave (mas que ainda assim impôs respeito), também conheço a sensação de ver a água a preparar-se para invadir (e invadir) propriedade…essa sim foi uma situação um pouco mais séria. O que se sente nessas situações é de que há sempre algo mais a fazer para proteger o que é nosso. Sentimos que faltou algo, que uma intervenção num ou noutro ponto pode ser a solução mágica para salvar bens. É um sentimento talvez pouco (ou nada) racional que surge por vezes no meio da aflição, podendo esta ser ou não inteiramente nossa, mas que está sempre presente, quando um cenário de tragédia bate à porta do que é nosso…especialmente quando o “ser nosso” significou uma vida dura de trabalho, numa terra dura, como é o caso de muitas daquelas pessoas…e isso leva-nos diretamente ao nosso instinto, a uma base comportamental que nos acompanha desde um período ainda anterior ao que nos tornou seres sapientes, mas que moldou muita da nossa sobrevivência enquanto espécie.

É importante pensar nisto, antes de escrever ou comentar alguma coisa deste tipo…nunca se sabe quando nos pode acontecer. E às pessoas que o fazem, digo frontalmente: não queiram nunca ter a sensação de não saber se no dia a seguir, aquilo pelo qual tanto lutaram para conseguir, ainda se encontra de pé.

Crédito da imagem: Global Imagens

 

Calor…muito

Porque nunca é demais recordar, fica aqui a página da Direção Geral de Saúde, relativa aos cuidados a ter com as temperaturas que iremos suportar nos próximos dias.

Para o pessoal que está em Hiking ou simples caminhadas de verão, por favor tenham cuidado…não poupem na água a transportar, usem roupa fresca e tentem evitar as horas de maior calor (e mesmo nessas não descurem a proteção solar, quer de forma física, quer através de cremes próprios). Especialmente para quem está no Hiking ou outras formas de caminhada longa, o melhor mesmo é começar de madrugada ou pelo amanhecer. Se tal não for possível, parem durante as horas de maior calor, e vão  recolhendo informação sobre possíveis problemas no percurso.  Lembrem-se, nunca fez mal nenhum a ninguém replanificar etapas, ou mesmo o planeamento geral, quando necessário.

Procurem ser felizes. Não heróis.