0 comments on “De volta ao céu”

De volta ao céu

Depois de quase seis meses no Brasil, e quase mais um mês em Inglaterra, o último ano e meio vai acabar com mais uma viagem a terras britânicas. Confesso que neste momento este viajante estava a usufruir em paz da aproximação ao Natal e da energia que surge neste período, que sempre senti boa e reconfortante. Não me afeta a febre consumista, pois nela nada me atrai e nada nela encontro de mim para preencher, ficando apenas o sentir doce do que de bom o universo nos traz e ensina…mas por outro lado, confesso que já tenho saudades dos meus amigos de asas, do ambiente dos aeroportos e da forma como também me transmitem uma sensação de paz no meio da confusão. É algo que vou aprendendo em mim, a simplesmente trilhar o Caminho do Meio, por entre o equilíbrio que os aparentes desequilíbrios nos induzem. E, por fim, conhecer mais uma cidade nova, Manchester, novas pessoas, novos locais, novas realidades e desafios profissionais e novas portas para a alma e pensamento…só o frio é que deve ser o mesmo de quando estive em Newcastle, se não for mais, mas bem temperado com a postura um pouco mais aberta e afetuosa das pessoas do norte, por comparação à frieza e algum distanciamento de Londres (apesar das boas experiências recentes, a comprovar que toda a regra tem a sua exceção, que nos ergue no conhecimento do que nos rodeia).

Digamos que a vontade de partir já estava cá. Mas ainda não estava no ponto. Ainda assim uma saída da zona de conforto que recebo de braços e coração aberto, e que pode ser muito interessante. Venha agora a partida (penso que no próximo domingo) e, com uma ligeira paragem no início de Dezembro, o regresso mais perto do Natal.

0 comments on “Transatlântico”

Transatlântico

Depois de algum tempo ausente, é do Brasil que retomo a escrita, mais precisamente de S. Paulo. A segunda parte de uma estadia que teve o seu início, com interregno de alguns meses, em Setembro do ano passado. É sempre um prazer voltar, porque voltar implica voar, e porque voar implica paz. Por mais ou menos profissionais que sejam as viagens, elas sempre despertam o que de em nós dorme perante as rotinas dos dias. E para quem como eu gosta de aviões, a experiência começa logo no aeroporto de origem…os aeroportos são realmente a minha segunda casa.

Numa cidade como S.Paulo, talvez a única grande metrópole de dimensão verdadeiramente global no pequeno mundo português, também nunca me perco…por entre uma oferta cultural riquíssima e intensa, ou lugares muito interessantes de relaxamento e boa comida (todos em muita, e interessante quantidade), passando pelo convívio com novas gentes e novos costumes, existe verdadeiramente a sensação de se ser um cidadão do mundo, um viajante, não necessitando do glamour que tantas vezes se apregoa. E nos tempos que correm, em mim, essa é a definitiva paz.