0 comments on “Adolfo”

Adolfo

naom_5aa43d422c855
Crédito: Global Imagens

Elogiado por uns, criticado por outros…

Acho que Adolfo Mesquita Nunes tomou uma decisão corajosa. A tomada de posição publica de afirmação de homossexualidade é sempre algo que provoca reações algo primárias, características num país onde a opinião pública se confunde com as necessidades de afirmação de cada um na rede social da sua preferência, num confronto de posições extremas que apenas serve o cultivo desses próprios extremismos. Para além disso, não é um posicionamento perante a vida bem visto numa certa ala conservadora da política e da sociedade portuguesas, onde com toda a certeza se movimentará. Mas a comunidade é, em sim mesma, a soma das suas individualidades, com a coragem de assumir formas de vida, viver por elas, sofrer por elas, pagar por elas, por vezes até morrer por elas.

É assim uma decisão que, na sequência de outras anteriores, e prevendo algumas que se seguirão, contribui para um caminho de maior maturidade desse todo chamado sociedade, fazendo lentamente cair tabus e preconceitos, fazendo pensar sobre a afirmação da pessoa de uma forma cada vez mais liberta (e, seria bom, na hipocrisia muitas vezes existente entre o dito e o sentido), aceitando todos dentro da sua individualidade e no direito de cada um ser e viver o seu caminho de felicidade, no respeito por si mesmo e pelos outros.

0 comments on “Major Tom”

Major Tom

tesla-roadster-in-space
Crédito: SpaceX

Como todo o mundo, assisti com um misto de admiração e alegria ao lançamento do Falcon Heavy. Numa ótica mais pessoal, juntou-se a este sentimento um certo revivalismo de alguém que sempre gostou muito de astronomia e da ciência astronáutica, e que sentia, desde o final da guerra fria e de alguns lançamentos ocasionais, falta desse imaginário infanto-juvenil, relacionado com a exploração espacial, preso num certo cinzentismo de uma rotina automática e circular em que a mesma se foi tornando. Não que ela não nos trouxesse a magia de cada vez melhor conhecermos a nossa real dimensão no universo (assim como a real consciência da mesma) mas…faltava algo.

Com o Falcon Heavy, a magia da exploração espacial renasceu. E por entre um ambiente geopolítico que evoca a dinâmica de blocos da guerra fria, onde nasceu e se desenvolveu num imemorial primeiro capítulo, renasce simbolizada do eterno Major Tom, o ícone da canção de Bowie…sim, oficialmente chama-se Starman, mas prefiro pensar que é o Major Tom que navega no espaço, transportando em si toda uma nova iconografia baseada no homem em vez do estado, na humanidade em vez do grupo, na conexão em vez dos conectados…a sua nave espacial já não é um símbolo de uma competição, mas de um engenho que mais que a visão de engenho humano e social de Elon Musk, transporta para o espaço o nome de um dos maiores génios que a humanidade, em toda a sua história, alguma vez conheceu, unidos por uma visão diferente, e alternativa do ser humano…Musk ao nível mundo, Tesla ao nível da eternidade.

Voltando à visão pessoal, o Falcon Heavy é também um símbolo de solidão, não com o significado mercantilista dos dias que correm, mas com a capacidade de interiormente discernir o que de mais vasto existe em nós, independentemente da distância e libertos dos grilhões do tempo…de que ainda vale a pena pensar o mundo e a humanidade no contexto da sua história, das lições aprendidas e dos horizontes alcançados por entre as pregas do espaço-tempo. Não sei se o Major Tom pensa nestas coisas no seu caminho para Marte. Gosto de pensar que sim, e de acreditar que quem nos guia pelo espaço nos mostra, de uma forma nova, o universo que todos nós vemos, o universo que desde sempre vive em nós.

 

0 comments on “Mobile”

Mobile

Experiência com a app mobile do WordPress. Em dias de trabalho o tempo não é muito, e o frio não convida a grandes aventuras de escrita. Mas é complicado por vezes passar por entre a vontade de escrever e toda a facilidade tecnológica que hoje permite tão grande flexibilidade.

0 comments on “Renascer”

Renascer

20180211_110531846398405.jpg
Crédito da imagem: Paulo Heleno

Os primeiros dias de sol do ano trazem consigo um desejo grande dele usufruir. Talvez aliado a um sentir de ano novo, a luz parece refletir-se de forma mais vasta e brilhante por entre o ar frio, despertando-nos na mente uma imagem de dinâmica que nos faz retomar as atividades entretanto suspensas (normalmente por causa da chuva), e sonhar com um verão não tão distante quanto se possa pensar.

Existem, contudo, por entre esta anualmente renovada promessa de luz, dias mais cinzentos. Como o de hoje. Dias onde o frio se esconde por entre as nuvens, e por entre as nuvens surgem períodos de chuva mais ou menos intensa. Confesso que, depois de um dia um pouco difícil como o de ontem, sinto-me atingido por este manto cinzento, o que não é nada normal…não tenho por este tempo um desagrado militante, sendo que muitas vezes me proporciona tardes de excelente leitura ou de desfrute musical, libertando bastante a minha mente para um merecido descanso ao sabor de um chá bem quente.

Mas hoje, ao contrário do meu bonsai, também me sinto um pouco cinzento. Ele, o bonsai, sendo de interior, nunca cede perante a chuva que por vezes o deixo apanhar, e desde que está comigo, já há mais de meio ano, que por entre ocasionais pequenos banhos matinais vai crescendo, tornando-se mais verde na alegria dos rebentos que nascem por entre a maturidade da folhagem que os rodeia…não consigo deixar de pensar, por entre o cinzentismo do dia, que as plantas não esquecem os ritmos naturais e sazonais, tal como nós há muito os esquecemos, e que neles vivem num equilíbrio intemporal de energias díspares que nos erguem e derrubam num ciclo de harmonia natural, sem os limites que aprendemos a nos colocar, longe no passado ou distantes no futuro.

É uma ideia que me devolve o estado habitual, de sentir que o sol sempre brilha por cima das nuvens, as mesmas nuvens que fazem renascer a natureza no mundo, para mais um ano de uma viagem imensa de vida que nos inspira e nos move. Nada é fundamentalmente mau ou bom. Tudo caminha à nossa volta, deixando-nos um pouco mais maduros na nossa caminhada e capazes de ver horizontes cada vez mais distantes no espaço ou cada vez mais profundos em nós. E o chá…bom…esse já está frio…é tempo de fazer mais.

 

1 comment on “Tudo em um”

Tudo em um

Thanksgiving-Snoopy-Wallpapers-030
Crédito da imagem: Peanuts

Omnia in Unum representa o princípio da unicidade. Um princípio que se torna uma sensação quase física quando, ao olharmos à nossa volta, sentimos que tudo no universo se movimenta de uma forma síncrona, sem tempo ou espaço senão aquele que em nós vive, e que se espelha nesse quadro perpétuo que se estende à nossa volta.

É igualmente o princípio da nossa própria existência. Ao longo da história da humanidade, o que fazemos, criamos ou destruímos, define-nos de uma forma diária, construindo-nos como a soma de todas as vitórias e derrotas, alegrias e tristezas, determinação ou medo. A soma que ao longo do tempo se vai tornando uma encruzilhada, numa humanidade que esquece a sua própria história para se redefinir num loop contínuo de vazio. Uma eterna escolha, tão antiga quanto o tempo, que de uma forma tão direta quanto ausente ousamos permanentemente adiar, na alvorada de um novo tempo.

É também a forma como nos revemos no que fazemos, vemos, ouvimos, lemos. Como ponto consciente de um universo que baila à nossa volta, ou como expressão máxima de uma humanidade que navega na alegoria dos seus nadas, navegamos por entre o dia e a noite, o profissional e o pessoal, o nosso grande o grupo e o nosso mundo cada vez mais pequeno, enquanto a seta do tempo desfila à nossa volta, moldando-nos sem o percebermos, iludidos em sonhos de grandes mudanças, e perdendo a visão da mudança que em nós mesmos estamos destinados a realizar, na grandiosidade do ser humano que desde a sua origem é condenado a evoluir, e a evoluir-se.

Omnia in Unum é, assim, tudo sobre nada e nada sobre tudo. No ponto de contacto entre essas realidades, encontro-me eu. Estas são as minhas palavras e as minhas imagens… convido-te a esquecê-las.