Caminho do meio

D82RbBrXsAAns8k.jpg large
Crédito da imagem: Desconhecido. Solicito informação sobre o autor

Não sei quem é o autor. Mas, cada vez mais, é tão isto…

Histórias em luz

20190601_105223[1]
Crédito da imagem: Paulo heleno

Na impossibilidade de colocar fotografias de todas as pessoas bonitas com quem convivi no passado sábado, fica a imagem do local onde a Nuvem Vitória esteve instalada, mesmo à entrada da Feira do Livro. Apesar de ter sido um dia fisicamente difícil, foi interiormente um dia de horizontes límpidos, nos sorrisos e olhares de todas as pessoas que ali deram um pouco do seu tempo para contar histórias bonitas que em muitas noites são partilhadas cada vez mais, por mais regiões do nosso país, iluminando um pouco mais crianças e jovens que se encontram em meio hospitalar; e também, obviamente, nos olhos e sorrisos pequeninos que inundaram de alegria um dia que se banhou sempre em muita luz…dragões, bruxas, ursinhos, avozinhas, vacas que subiam a árvores e meninos que comiam livros…é bom deixar a fantasia inundar-nos em alegria, maravilhando a nossa criança interior, e deixando-a correr livre por dias presentes e futuros, convergindo sem tempo nem espaço no brilho do sentir do próximo.

Somos o que escolhemos evoluir, e evoluímos no que desejamos escolher.

Muito grato a todos.

 

Histórias no parque

61640313_2710007892403082_3395892136841838592_n
Crédito da imagem: APEL

Sábado vai ser um dia especial para mim. Assim como foi, não o passado fim de semana, mas o outro, onde fiz a formação para prestar voluntariado na pediatria do Hospital de Leiria, fazendo exatamente o que irei fazer nesta minha ida à Feira do Livro de Lisboa. Na vida, vamos sempre descobrindo um pouco mais de nós mesmos…poder contar histórias a crianças e jovens (e porque não por vezes aos respetivos pais) foi algo que foi surgindo em mim…não posso dizer que o desejei, fui atrás, fiz trinta por uma linha para chegar aqui…não o posso dizer, porque estaria a mentir. Um dia, apenas por um momento, identifiquei-me com uma causa, e simplesmente deixei despertar em mim mesmo os reflexos da sintonia com a mesma, no âmbito do meu contínuo caminhar, que cada vez mais se revela em horizontes novos. O tempo fez o resto. As coisas simples são sempre assim. Simples. E levam-nos longe, para mais perto de nós.

E assim lá estarei, no espaço da Nuvem Vitória, ajudando e, quem sabe, contando as minhas primeiras histórias a miúdos e graúdos das 11 da manhã, até sensivelmente à hora de jantar. Quer dizer…sensivelmente até à hora de jantar. Porque posso gostar mesmo muito, e posso ficar até ao fim, pelas 11 da noite. O que é bastante provável 🙂

Iker II

13988247_1731740993741924_5075702556627563287_o
Crédito da imagem: Paulo Heleno

Quando estive nos Pirinéus, há cerca de 3 anos, enfrentei a minha primeira tempestade de montanha. No grupo onde estava, sabíamos que ela poderia surgir durante a etapa, e, de facto, ela apareceu, sem qualquer aviso. Imediatamente começámos a correr, com o elemento mais experiente do grupo à frente, enquanto eu só olhava para o chão, tentando não cair. Após algum tempo, conseguimos um refúgio num pequeno abrigo natural, uma pequena cavidade onde mal cabíamos todos. De lá, observei uma trovoada tão intensa e maravilhosa quanto a tempestade que a envolvia, num espetáculo que durou pelo menos uma hora. Durante esses momentos, um dos elementos mais experientes do grupo perguntou-me muito curioso porque tinha baixado a cabeça, enquanto corria. Respondi que nem via por onde ia, só queria não cair e com todo o peso da mochila atrás, ao que ele me respondeu algo que nunca mais esqueci…”não o deves fazer…a montanha que te envolve na tempestade é a montanha que te oferece o abrigo…se não a olhares nos olhos, não o encontras.”

Passada essa hora, voltámos ao caminho, rumo ao refúgio dos Florestales (na imagem). Enquanto íamos caminhando, a neblina ia-nos perseguindo. Literalmente. Olhávamos para trás e via-se claramente uma massa nebulosa caminhando veloz no nosso encalço, percorrendo o chão e envolvendo o ar, tornando a visibilidade cada vez menor por onde passava. Chegámos ao refúgio não mais de 10 minutos antes de todo aquele local ser envolvido por toda essa neblina. E na simplicidade dessa estrutura, despida de qualquer artificialidade desnecessária (assim como o nosso pequeno abrigo anterior) esperámos, pacientes, por uma melhoria das condições atmosféricas (mais cerca de uma hora), antes de voltarmos ao trilho para uma das mais belas etapas daquele dia.

E tem sido assim que tenho caminhado perante as interrogações do artigo anterior. Quem já lá esteve sabe que a montanha nunca nos abandona.

Iguais na diferença

20190322_172926[1]
Crédito: BBC

Apresentação do boletim meteorológico em prime time na BBC News. Iguais na diferença. Sem preconceitos.