Brexit

As manifestações que ontem se realizaram em Londres nada mais são do que uma tentativa do povo britânico de retomar a capacidade de decisão sobre o final desta novela. Por via da imprensa falada ou escrita, o país tem sido inundado por um conjunto de debates e expressão de ideias que, na prática, se consubstanciou em muito pouco, com a verdadeira ação a ter lugar em Whitehall, numa sucessão de debates absolutamente lamentáveis, e que têm apenas como objetivo dar expressão pública às correntes que se vão movendo dentro do Partido Conservador para a substituição de Theresa May, e um Partido Trabalhista, sem rumo definido, que orienta as suas velas de acordo com os ventos dominantes, sejam eles quais forem, desde que resultem em eleições antecipadas.

Theresa May cometeu um erro fundamental. O de continuamente afirmar que o Brexit era a decisão expressa de uma vontade dos britânicos, à medida que com o passar do tempo, o país ia sendo invadido por revelações sobre os bastidores da campanha do Brexit que cada vez mais indicavam que interesses políticos e financeiros, muitas vezes em conluio, se organizaram para que o resultado fosse o que se verificou. E principalmente na zona de Londres e de outras grandes cidades como Manchester, crescia principalmente a indignação das gerações mais jovens, até aos 30 – 40 anos, assim como a preocupação do tecido empresarial. Por entre os dois, o espectro de uma recessão alargada e prolongada na economia britânica esteve sempre presente nas discussões.

Todo este ambiente foi fértil em termos de jogo político. Enquanto o The Times, na semana que passou, afirmava claramente a existência de um motim no Gabinete de Ministros, Jeremy Corbyn e o seu Partido Trabalhista tem, nas últimas semanas, vindo-se a aliar à ideia do segundo referendo. Tudo isto já tendo em mente a realização de eleições gerais no país. O resultado de um jogo político que nem May nem Corbyn quiseram, até agora, encarar de forma definitiva, pois o preço a pagar era certamente elevado. Agora, as coisas vão ficando mais claras, mas uma coisa me parece certa. Ainda que o Brexit não avance e o Reino Unido permaneça na UE, toda a força que o Reino Unido tinha para manter o seu estatuto algo diferenciado na União, simplesmente se perdeu. No mínimo dos mínimos, o Reino Unido regressará mantendo o mesmo estatuto que tinha, mas não podemos esquecer que a posição da União Europeia sai profundamente reforçada. E por aqui tem-se uma clara consciência disso. Quais as consequências deste facto, logo se verá, num jogo político que, com uma tendência para o enfraquecimento da influência alemã, e com os desafios que Macron enfrenta em França, tem um resultado imprevisível.

Quanto aos britânicos, uma recente petição destinada a revogar o accionar do artigo 50 dos tratados já conta com cerca de 5 milhões de assinaturas. Se se analisar graficamente a distribuição das assinaturas, vemos que o sul continua a ser a zona onde mais intensamente se combate o Brexit, mas existe uma clara definição do centro, e sobretudo do Norte, em relação a este combate. Embora não seja tão visível de uma forma tão intensa quanto no Sul, é uma evolução face ao que se verificou no referendo, e vai correspondendo ao que vou ouvindo nesta faixa entre Manchester e Liverpool. Não sendo um assunto ouvido nas conversas de final de dia ou após jantar, ele surge naturalmente as pessoas descobrem que sou de Portugal. E das muitas conversas que já tive, o sentimento generalizado é de apoio à manutenção na União. Sobre Londres, nem uma palavra. Ninguém se interessa muito pelo que lá se passa.

Crédito da imagem: Duncan Hill

About Paulo Heleno

Amante de natureza, com uma preferência especial pela praia e montanha. Aprcecio caminhadas e hiking, mantendo uma paixão particular por leitura, escrita, música e fotografia. Profissionalmente, desempenho funções Gestor de Suporte a Cliente no mercado do Reino Unido, bem como consultor funcional na área de ERP's.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.