Renascer

Os primeiros dias de sol do ano trazem consigo um desejo grande dele usufruir. Talvez aliado a um sentir de ano novo, a luz parece refletir-se de forma mais vasta e brilhante por entre o ar frio, despertando-nos na mente uma imagem de dinâmica que nos faz retomar as atividades entretanto suspensas (normalmente por causa da chuva), e sonhar com um verão não tão distante quanto se possa pensar.

Existem, contudo, por entre esta anualmente renovada promessa de luz, dias mais cinzentos. Como o de hoje. Dias onde o frio se esconde por entre as nuvens, e por entre as nuvens surgem períodos de chuva mais ou menos intensa. Confesso que, depois de um dia um pouco difícil como o de ontem, sinto-me atingido por este manto cinzento, o que não é nada normal…não tenho por este tempo um desagrado militante, sendo que muitas vezes me proporciona tardes de excelente leitura ou de desfrute musical, libertando bastante a minha mente para um merecido descanso ao sabor de um chá bem quente.

Mas hoje, ao contrário do meu bonsai, também me sinto um pouco cinzento. Ele, o bonsai, sendo de interior, nunca cede perante a chuva que por vezes o deixo apanhar, e desde que está comigo, já há mais de meio ano, que por entre ocasionais pequenos banhos matinais vai crescendo, tornando-se mais verde na alegria dos rebentos que nascem por entre a maturidade da folhagem que os rodeia…não consigo deixar de pensar, por entre o cinzentismo do dia, que as plantas não esquecem os ritmos naturais e sazonais, tal como nós há muito os esquecemos, e que neles vivem num equilíbrio intemporal de energias díspares que nos erguem e derrubam num ciclo de harmonia natural, sem os limites que aprendemos a nos colocar, longe no passado ou distantes no futuro.

É uma ideia que me devolve o estado habitual, de sentir que o sol sempre brilha por cima das nuvens, as mesmas nuvens que fazem renascer a natureza no mundo, para mais um ano de uma viagem imensa de vida que nos inspira e nos move. Nada é fundamentalmente mau ou bom. Tudo caminha à nossa volta, deixando-nos um pouco mais maduros na nossa caminhada e capazes de ver horizontes cada vez mais distantes no espaço ou cada vez mais profundos em nós. E o chá…bom…esse já está frio…é tempo de fazer mais.

Crédito da imagem: Paulo Heleno

 

Tagged with: